segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Contos Negreiros

Com este livro de contos, Marcelino ganhou o prêmio Jabuti, em 2006. Na capa, o personagem recorrente em todo o livro: a figura do negro.

A rima forte no trabalho de Marcelino é humor e dor. E é com ela que ele constrói seus textos. Impressiona a lógica particular de cada um dos personagens. A nos lembrar o tempo todo que vivemos em universos individuais, únicos e próprios, embora tenhamos a mania de nos referir a realidade como se ela fosse algo dado, igual para todos, comum. Definitivamente, não é. Vivemos em universos paralelos.

Yamami é um bom exemplo. Uma história de amor. E também de pedofilia. Forte, comovente, dura. Bem ao estilo do autor. No final, fico sempre com a impressão de que o vilão da história sou eu.

Ah, antes que eu me esqueça, uma recomendação: leia Marcelino em voz alta. Faz toda a diferença. Se preferir, compre o audiolivro, gravado pelo autor e publicado pela editora Livro Falante.

Ficha Técnica: “Contos Negreiros”, Marcelino Freire, Editora Record.

Nenhum comentário: